Estou pegando o termo “emprestado” do comentário do Carlos Araujo sobre o meu último artigo.  Ele mencionou que teria ficado com um “gosto amargo” na boca por ter sido repreendido ao ter feito alguma tradução incorreta…  Gostaria de saber mais sobre o incidente, pois isso não é uma atitude que queremos na nossa equipe. Claro que levamos o nosso trabalho muito a sério, mas não podemos deixar o valor da palavra Ubuntu de lado nem por um minuto!  Eu mesmo já deixei minha paixão pela causa tomar controle sobre mim e fui bem vocal em uma situação que aconteceu recentemente… mas reconheci minha falha e imediatamente me desculpei em “público.” É por isso que estou escrevendo este “follow up” ao meu artigo anterior… para dizer que não vamos “queimar” ninguém por errar… E contrário ao comentário do Allen, que disse que o projeto de tradução é um “clube fechado,” quero deixar claro que o “clube” está aberto a todos!  Não Importa Tua Origem!  E para providenciar o caminho das pedras:

Para quem nunca ajudou com a comunidade Ubuntu Brasil, minha sugestão é que chequem esta página primeiro:  **Tradutores do Ubuntu para Português do Brasil**

Depois, olhem este documento recentemente traduzido pelo rockz explicando como usar a interface gráfica do Rosetta para efetuar traduções ou sugestões: RosettaFAQ Agora é só checar qual pacote está precisando de ajuda na lista compilada pelo Fábio: lista Convido também todos  a participar do canal de suporte a tradutores: #ubuntu-br-tradutores

Qualquer dúvida, sugestão ou bronca, favor deixar um comentário.


Comments

comments powered by Disqus